The relation between short and long term for the main schools of thoughts in economics

A mid-night review of the interpretations of Fernando Jose Cardim de Carvalho.

In Cardim’s view there are two notions of economic activity: On the one hand, classical political economy via reproduction of wealth and in the forms of its appropriation.

Smith’s insights into the wealth of nations, which followed, notably Ricardo and Marx, followed, with important modifications, to the neoclassical tradition associated with Alfred Marshall, including John Maynard Keynes. For the latter, the role of the market was to organize private productive activity, through the compensation offered to each activity, in the form of revenues from the sale of goods and services. As in the thesis of the invisible hand of Adam Smith, what was sought to show was that the coordination of productive activity could be satisfactorily achieved through the spontaneous interaction of the economic agents seeking to favor their own interests. Nevertheless, in a Keynesian view the state can act not only as regulator but also favoring negotiations between individuals.

The other notion of economic activity was conceptualized more consistently by Leon Walras, for whom the exchange, rather than production, is the economic activity that should be the object of the economy. Production as well as consumption and accumulation of material wealth are the results of economic activity.

In both approaches, the role of the market as a place of interaction between private agents is essential, but in the classic and Marshallian tradition, market transactions are one of the phases of the productive process. In the Walrasian tradition, consumption gives meaning to market transactions, but it is trade that matters to the economist. The consumption itself occurs when the market has already closed its activities and the values ​​are already established. The same holds true for productive activity that begins only when the market of factors of production has already fulfilled its task of pricing and distributing the factors by the different firms.

In this way, it does not make sense to qualify the general Walrasian equilibrium as a position of long-term equilibrium. Productive activity is a process with intrinsic temporality. The same goes for capital accumulation. Both bring to the present future results in the form of expectations and are projected into this very future given the duration of productive processes and capital accumulation.

CLASSICAL POLITICAL ECONOMY

Classical political economy arose from an attempt to show that private agents, operating freely in defense of self-interest, could achieve a degree of coordination of their actions sufficient to guarantee the consistency and replicability of this relationship pattern. Neither Smith nor, indeed, any other classical or later author was actually able to demonstrate this claim, which is assumed as presupposed rather than proved as a result.

The ideal of replicability would imply the regularity of behaviors. It was necessary to identify these laws which imply the possibility of separation between essential relations, which are manifested regularly, and accidental, that do not follow established standards. This separation is obtained in the natural sciences in the laboratory, which is nothing more than an artificial construction in which hypotheses are tested on what constitutes an essential relation simply by the deliberate elimination of the influence of what is considered an accessory. The impossibility of these applications in the social sciences has led the classical political economy to adopt a heroic hypothesis: the neutrality of the short period. Economic activity would be at every moment obeying essential forces and accidental forces. The former would be regular, systematic and would have an identifiable impact on the activity. The latter would be erratic, unpredictable in its occurrence and in its impact. Thus economic activity at every moment would be subject to varied stimuli, complex combinations of essential and accidental forces. Historical observation, in this sense, would allow to separate the essential from the accidental, observing the regularities that would mark what is systematic.

Thus classical political economy rested on a sort of neutrality of the short period, in the sense that what happened at every moment would be the result not only of systematic forces but also of all these accidental shocks that take place all the time. In the long period, only the essential elements would occur with the necessary frequency to allow the identification of the regularities that would then be qualified as laws.

The use of a conception of historical time, therefore, in classical political economy obeyed a double demand: the search for identification of laws through repetition over time, and the postulation that the relevant laws were laws of motion, that is, , Systematic systemic conceptions of economies are based on

Tagged with: , , , , , , , , , , , , , , , ,

How Warren Buffett learnt to win friends and influence people

The Carnegie method had a profound effect on the US investor early on in his career

 from Financial Times
© Bloomberg

In his office in downtown Omaha, Nebraska, Warren Buffett displays only one certificate of his education. It isn’t for his bachelors degree from the University of Nebraska, or his master of science in economics from Columbia Business School. It is for completing the “Dale Carnegie Course in Effective Speaking, Leadership Training, and the Art of Winning Friends and Influencing people”, dated January 23 1952.

The instructors on the course “made you do all these crazy things to get out of ourselves”, Mr Buffett says in the new HBO documentary Becoming Warren Buffett. But “if I hadn’t had done that, my whole life would have been different”.

American business adores its legends and Mr Buffett holds Arthurian status. Becoming Warren Buffett will only amplify it. With lingering shots of rolling Nebraskan farmland intercut with Mr Buffett squinting at dusty old company records, it is a fascinating look at an extraordinary fortune-builder and his methods.

Carnegie’s influence, as Mr Buffett admits, was profound. No business school, to my knowledge, includes Carnegie’s most famous book, How to Win Friends and Influence People, on its curriculum. But they should.

The book is divided into four sections: “Fundamental Techniques in Handling People”; “Six Ways to Make People Like You”; “How to Win People to Your Way of Thinking”; and “Be a Leader: How to Change People Without Giving Offence or Arousing Resentment.” Reading it, you can spare yourself hours of flaccid Ted talks and reams of self-evident claims from professors in organisational behaviour.

Carnegie developed his course on effective speaking in 1912, after coming to New York from Missouri in the hope of a career on Broadway. Instead, he found himself trying to sell Packard trucks and living in a filthy tenement in Hell’s Kitchen. As he later wrote, he had a “bunch of neckties hanging on the walls; and when I reached out of a morning to get a fresh necktie, the cockroaches scattered in all directions”.

To earn some money, he devised a course based on his training as an actor and his experience as a rather poor salesman, and focused it on how to conquer worry. Having been turned down by several more august institutions, he began teaching it in a room at the YMCA on 125th Street in Harlem. The key to Carnegie’s classes was, and remains, getting people comfortable on their feet and talking, conquering their fears by discussing things that are most familiar to them.

It is not intended to turn them all into identical tub-thumpers and rambling toastmasters, but to make them more realised versions of themselves. And that is precisely what it achieved with Mr Buffett.

One of the most instructive moments in the documentary describes Mr Buffett’s investment in Salomon Brothers. During the market crisis of 1987, he bought a stake in the investment bank. The documentary shows footage from that era of Wall Street, with lots of identical young men in dark suits looking extremely pleased with themselves. Mr Buffett mistrusted investment bankers but saw an opportunity in Salomon. He snagged a good deal, an option that paid 9 per cent a year and could be converted into common stock at a higher price after three years or redeemed over five.

But four years later, Salomon was swept up in a bond trading scandal and verging on bankruptcy. Mr Buffett went from investor to chairman and had to negotiate with the US Treasury to keep the firm in business. His reputation as an ethical and responsible businessman earned him the trust and time to fix things. What is striking is his facility in the shark tank of Wall Street. He was uncorrupted by the yahoos and remained the wild-haired genius from out of town able to impose order and reason on chaos.

At the press conference announcing the Treasury’s support for Salomon, Mr Buffett coolly took more than two hours of questions. When someone asked him how he would handle his business in both Omaha and New York, he shot back: “My mother has sewn my name in my underwear, so it’ll be OK.” Carnegie would have been proud of his pupil.

The documentary tracks the change in Mr Buffett wrought largely by his extrovert first wife, Susan. They married in 1952, but she left him in 1977 to live in San Francisco, though they remained close. It was an unconventional relationship, but Mr Buffett credits Susan with awakening him to the importance of human relationships.

He admits he was a “lopsided person” and that Susan “put me together”. He realised over time that while he revelled in finding solutions to the most complex financial problems, “it’s the human problems that are the tough ones”. It is this process of self betterment that makes the parallel stories of Mr Buffett’s compounding fortune and his equally compounding character so compelling.

“I’m pretty well depreciated. I’m getting down to salvage value,” he says towards the end of the film. On this, he is charming, but wrong. He has not depreciated, but evolved.

The writer is author of ‘What They Teach You at Harvard Business School’

Tagged with: , , , ,

Já se preguntou em que gasta o governo?

Você já se preguntou onde vão seus impostos? Bom. Se sabe que uma parte dos gastos públicos são destinados para Educação, Saúde, Segurança, etc. Mas, que mais? Quanto se gasta no aparato administrativo que mantém em andamento as engrenagens do sistema governamental, e quanto nos juros que são pagos aos rentistas que recebem aproximadamente 14-15% ao ano sobre seu capital investido em títulos de renda fixa?

Ainda que meu foco são as ações sempre é bom ver um pouco a evolução da renda fixa e a conjuntura macroeconômica. É por isso que tentarei explicar de um jeito simples e rápido por meio de ferramentas visuais.

screenshot-6

Como se pode observar na Tabela 1.1 a maioria das despesas no Brasil estão destinadas a movimentos financeiros, representando esse valor 31%. Enquanto as despesas em educação representam 20% seguidas de perto pela previdência social (17%) e saúde (14%).

screenshot-8

Por meio do Gráfico 1.0 pode-se apreciar o aumento, em termos reais, da previdência social ao longo do período. Como assim também o valor dos Encargos Especiais e sua grande representação na ponderação das despesas do Estado, sendo o valor médio R$100 bilhões.

screenshot-3

Finalmente, na Tabela 1.2 estão representadas as subfunções da função que mais se destaca nos gastos públicos (Encargos Especiais), e desconsiderando as transferências entre as UF e a União e Outros Encargos Especiais que não são definidos. É interessante destacar que a tendencia do endividamento e o pagamento de juros só tem aumentado nos últimos tempos.

É minha opinião pessoal que para o Brasil se recuperar desta crise deve implementar politicas keynesianas em detrimento das politicas de ajuste fiscal que, sem sucesso, está tentando realizar.

Em momentos assim pensar em ajustes na previdência social, em saúde e educação é o mais prejudicial que pode existir para o pais, para os empreendedores, investidores e empresas que tem a capacidade de produzir e gerar emprego. Não só pelo fato de que estes ajustes irão criar uma piora dos serviços públicos e reduzirão a demanda do setor publico e seu efeito multiplicador sobre a demanda total; senão porque será inviável empregar uma população doente e analfabeta. Principalmente quando existe uma taxa de juros elevadíssima recompensando a quem vive, sem risco nenhum, a costas dos contribuintes. Enquanto microempreendedores, inovação, tecnologia e investimento produtivo se afundam na impossibilidade de se financiar e de obter demanda ante uma situação politica-econômica caótica.

Edit: Só para complementar com dados mais recentes. No ano 2015, em valores nominais, foram gastos os seguintes valores em todos os estados do Brasil, unicamente em despesas da divida publica:

untitled

Tagged with: , , , , , , , , , ,

O café no Brasil e a influência da crise de 1929

Introdução:

Neste trabalho irão ser estudadas em primeiro lugar as causas e conseqüências da crise de 1929 e o segundo elemento analítico será a crise do café no Brasil, suas causas e relação com a crise, e suas conseqüências.

O método de análise será critico dedutivo com a premissa de inserir ao leitor no contexto histórico em que aconteceram os fatos.

 

Desenvolvimento:

Crise de 1929:

Logo da primeira guerra mundial EUA emergiu como grande potência econômica e industrial e se transformou assim, num país com grande riqueza ao qual muitos outros países deviam dinheiro. Com os juros, os empréstimos feitos para os aliados durante a guerra chegaram quase a 12 bilhões de dólares.

Grande fortuna se fez presente; e o novo padrão de consumo americano incluía, maquinas de lavar roupa, rádio, cinema, o famoso carro Ford modelo T nascido da nova linha de produção em massa, entre outros desejos de consumo financiados pelo credito fácil das poderosas instituições financeiras.

A década de 1920 foi um momento de grande prosperidade para os Estados Unidos, logo no final da década quase todo mundo já estava endividado.

Umas das coisas que os americanos mais gostavam na época era a emoção da especulação no mercado de ações; empolgados com os grandes ganhos já que o preço não parava de subir. Também o crédito instantâneo fazia com que qualquer um pudesse investir em ações pela primeira vez; e podia comprar na margem, a crédito com empréstimo de seu corretor.

O crédito instantâneo e o fato do governo se negar a regular a bolsa de valores construiu as bases para o desastre iminente.

“Os fundos disponibilizados pelo Federal Reserve foram investidos em ações ordinárias ou (e mais importante) ficaram disponíveis para ajudar a financiar a aquisição de ações ordinárias por terceiros. Assim, dispondo de fundos, as pessoas correram para o mercado acionário.” (GALBRAITH, 2010, p. 28).

Em questões abordadas no seu livro Galbraith menciona como causas as práticas especulativas, elevação dos preços de ações e de imóveis, que atraiu compradores e aumentou ainda mais os preços e as expectativas otimistas, até culminar na crise de 1929. Seria a ilusão dos estadunidenses, que pensavam que a especulação de títulos mobiliários traria dinheiro fácil para todos, uma das causas da crise? Seria o desejo de ficarem ricos rapidamente e com pouco esforço a causa da bolha imobiliária?

“… um processo básico e recorrente. Surge com preços em elevação, seja das ações, seja dos imóveis, seja das obras de arte ou de qualquer outra coisa. Esse aumento atrai atenção e compradores, o que produz o efeito adicional de preços ainda mais elevados. Expectativas são assim justificadas pela própria atividade que faz os preços subirem. O processo continua; o otimismo, com seu efeito de mercado, é a ordem do dia. Os preços sobem ainda mais. Então, por razões que serão interminavelmente debatidas, chega o fim. A queda é sempre mais súbita que o aumento; um balão que tenha sido furado não se desinfla de modo regular.” (GALBRAITH, 2010, p. 16).

Os países europeus começaram a ter dificuldades para pagar suas dívidas com os EUA. Enquanto isso, na década do egocentrismo e a confiança cega, em Wall Street continuavam a comprar ações acreditando que nada poderia dar errado.

“Em 1929, havia boas razões, ou ao menos estratégicas, para essa visão, e é fácil compreender por que ela se tornou doutrina dominante. Em Wall Street, como em toda parte durante aquele ano, poucas pessoas queriam uma depressão grave. Em Wall Street, como em toda parte, há uma fé profunda no poder da magia. Quando o mercado caiu, muitos cidadãos em Wall Street logo sentiram o perigo real, indicando que a renda e o emprego – a prosperidade em geral – seriam adversamente afetados. Era preciso impedir que isso acontecesse. A magia preventiva requeria que um importante número de pessoas repetisse com o máximo de firmeza que isso não aconteceria. E foi o que fizeram. Explicaram como o mercado de valores era apenas a espuma e que a substância real da vida econômica residia na produção, no emprego e nos gastos, os quais, todos, continuariam não sendo afetados. Certeza disso ninguém tinha. Como um instrumento da política econômica, a magia não permite dúvidas nem escrúpulos menores.” (GALBRAITH, 2010, pp. 93-94).

Uma quinta-feira, num 24 de outubro de 1929, sem aviso prévio, a bolha estourou e a festa acabou. Todos tentaram vender as ações que tenham; o “efeito manada” contagiou o pânico. No final daquele dia o mercado de ações tenha perdido 4 bilhões de dólares, e logo piorou. Quem tenha vendido na margem estava endividado com os bancos, os quais começaram a exigir o pagamento dos empréstimos e uma única forma de pagar era vendendo suas ações a qualquer preço. Corretores e especuladores venderam mais de 16 milhões em um dia, o que foi conhecido como a terça-feira negra; um prejuízo de 14 bilhões de dólares.

Ante a seguintes expectativas negativas e corrida bancaria os bancos se vieram obrigados a pedir falência. As empresas ficaram sem credito e foram forçadas a fechar deixando milhares de trabalhadores desempregados.

O grande crash traumatizo a nação americana e fez que milhares de empresas quebraram, milhões de pessoas perderam seus empregos.

Bancos americanos tentaram cobrar suas dívidas de guerra no exterior. E o Estado tentou salvar eles enquanto ignorava a situação de miséria da população. Aparentava não enxergar os problemas e convocava economistas ortodoxos para tentar convencer o povo por meio dos meios de comunicação de que a situação iria melhorar.

Do auge da prosperidade em 1929 até 1932 nove mil bancos quebraram ou fecharam as portas; 6000 empresas faliram, o PIB foi reduzido de 80 bilhões de dólares a 40 bilhões em 1932; o desemprego aumento de 3,2% para 25%; a violência cresceu nas cidades americanas, grupos de cidadãos atacaram autoridades locais por falta de assistência do governo, a população fiz manifestações contra o pagamento de aluguel e passeatas contra a fome, mas foram os veteranos de guerra quem fizeram os protestos mais violentos se enfrentando com o exército americano e tomando o capitólio.

No livro 1929: A Grande Crise, John Galbraith discorre sobre o papel do Estado durante os anos do boom especulativo na década de 1920 e apresenta críticas aos funcionários públicos que tinham a responsabilidade de tentar diminuir a “bolha” da especulação: o presidente dos Estados Unidos, o secretário do Tesouro, o Conselho do Federal Reserve em Washington e o presidente e os diretores do banco Federal Reserve de Nova Iorque.

“A regulamentação da atividade econômica sem dúvida é o mais deselegante e o mais ingrato dos encargos públicos. Quase todos se opõem a ela por princípio; sua justificativa sempre se baseia na defesa pouco agradável do mal menor. A regulamentação se origina de ásperos debates no Congresso, no qual os interesses desnudos dos grupos de pressão envolvem e expõem, revelações que se avizinham do obsceno. A promulgação e a aplicação de normas se fazem por uma burocracia esmagadora que é criticada sem cessar. Em épocas recentes, tornou-se obrigatório para os reguladores em todas as oportunidades confessarem sua incompetência, que, em qualquer caso é evidente demais.” (GALBRAITH, 2010, p. 41).

Depois de 13 anos de domínio republicano Franklin Delano Roosvelt foi empossado presidente dos EUA, logo declarando:

“Deve haver uma supervisão rígida de todas as transações bancarias, de credito e de investimentos. Temos que pôr um fim à especulação com o dinheiro dos outros”

O programa de assistência de Roosvelt: National RecoveryAdministration era a estratégia de longo prazo para diminuir o sofrimento causado pela depressão, tomando para si a responsabilidade pelo bem-estar do povo e criando novos empregos.

Embora não fosse propriamente um projeto coerente de reformas políticas, econômicas e sociais, as políticas implementadas por Franklin D. Roosevelt em resposta à Grande Depressão lançaram as bases do estado keynesiano e do poder sindical nos Estados Unidos. O New Deal pode ser dividido em quatro dimensões: 1) às reformas econômicas e à regulação de setores da economia, 2) a que se ocupou das medidas emergenciais, 3) a que diz respeito às transformações culturais, e 4) uma nova pactuação política entre o Estado e fatores sociais, o que formou a chamada coalizão do New Deal.

  • O governo investiu US$ 4 bilhões na construção de usinas hidrelétricas, barragens, pontes, hospitais, escolas, aeroportos etc. Tais obras geraram milhões de novos empregos;
  • A destruição dos estoques de gêneros agrícolas, como algodão, trigo e milho, a fim de conter a queda de seus preços;
  • O controle sobre os preços e a produção, para evitar a superprodução na agricultura e na indústria; a diminuição da jornada de trabalho, com o objetivo de abrir novos postos. Além disso, fixou-se o salário mínimo, criaram-se o seguro-desemprego e o seguro-aposentadoria (para os maiores de 65 anos).

 

Estatísticas dos Estados Unidos para o período em estudo:

 

 

Crise do café no Brasil

A relevância do café para a Economia do Brasil no século XIX é indiscutível, seu maior apogeu deu-se entre 1830 e 1929. Uma vez que sua produção em escala comercial se inicia com a presença da Família Real Portuguesa no Brasil, e vai até o final de 1920. Este período histórico é o Ciclo Sistêmico de Acumulação Britânico, porém coincidindo com a passagem dele para o norte-americano.

“O estudo da formação e distribuição espacial da cadeia mercantil do café certamente permitirá lançar novas luzes sobre um período fundamental na historia brasileira, caracterizado pela formação do estado nacional, pela modernização econômica e suas conseqüências em termos políticos, sociais e mesmo culturais. Um aspecto da vida brasileira para o qual o estudo da cadeia mercantil mundial do café contribuirá é a observação mais clara da inserção nacional nos processos políticos e econômicos mundiais. Pois os nódulos fundamentais da cadeia mercantil do café ou eram controlados por agentes britânicos -o comercio e o financiamento, por exemplo- ou se localizavam no exterior, como é o caso do consumo, realizado majoritariamente nos EUA.” (VIEIRA, 2012, p. 274)

Por se encontrar os pontos chaves nos centros hegemônicos, Brasil não dispunha de autonomia para tomar decisões sobre o café. Decisões estratégicas sobre preços, estoques, quantidade a ser produzida entre outras eram tomadas externamente. A política de valorização do café foi associada aos interesses de empresas e banqueiros ingleses e o conseqüente endividamento.

“… a economia cafeeira nas suas diferentes fases, desde a produção até o consumo será largamente explorada pelo capitalismo internacional. Através do financiamento da produção, do comercio, da exportação, ele retirará uma primeira parcela de lucros, pois embora estas operações se realizam no próprio pais, elas se acham diretamente ou indiretamente em suas mãos, seja por bancos ou firmas comerciais da mesma procedência nacional, seja por casas brasileiras a eles ligadas. Depois que o café é embarcado, a exploração do capital estrangeiro se torna naturalmente maior e mais fácil, aí vem o transporte, a distribuição nos países consumidores, a industrialização do produto (torração, moagem e outras manipulações). É todo um grande aparelhamento comercial e industrial que o café brasileiro vai alimentar; e os lucros de todos esses processos sucessivos (em que entra boa parte da mais-valia brasileira) canalizam-se para a remuneração dos capitais internacionais neles investidos.” (PRADO JÚNIOR, 1994, p. 272)

Assim, foi difícil identificar quanto da riqueza produzida do café efetivamente permanecia no país.

Brasil estabelecia uma posição de pais consumidor de manufaturados e produtor de produtos primários, os quais sofriam a grande pressão de grandes empresas exportadoras as quais exerciam a capacidade de comprimir os preços dos produtos.

No período existia trabalho intensivo nos cafezais, no inicio de escravos africanos, depois, deles e imigrantes; depois, de assalariados; e por fim de imigrantes e migrantes. Mantendo-se assim as condições necessárias para a produção em larga escala, garantindo a exploração de um lado e a acumulação do outro.

Para o efeito da elaboração da cadeia mercantil do café é indispensável à alocação de um ou mais elos mercantis que atendiam o fluxo de subsistência do complexo cafeeiro. Conseqüentemente ha de se relatar que esse comercio interno exigia tropas de muares e navegação de cabotagem para sua efetivação, portanto outro elemento a ser incluído na referida cadeia mercantil.

Antes do consumo final havia ainda a fase da torrefaço e moagem, que não era feita no Brasil. Primeiramente a torra era feita pelo próprio consumidor, mas com o desenvolvimento de grandes empresas torrefadoras e da qualidade dos embalagens, houve mais facilidade para o consumo; com a venda do produto pronto para o consumo este aumento consideravelmente.

Logo de passar por um complexo sistema de comercialização; em 1917, cria-se a Bolsa de Café de Santos, que passa a operar também com negócios futuros. Também a instalação de “Armazéns gerais” (1903), para uso dos fazendeiros que não quiserem fazer negócios a traves dos comissários e preferissem tratar diretamente com os exportadores ou seus corretores, trouxe uma inovação.

O mercado mundial tendeu a crescer ininterruptamente a partir de 1920, e as exportações aumentaram em grandes proporções, deixando a economia dependente desta monocultura.

A chamada “política de valorização de preços” teve algumas edições. Tais medidas tentavam sobrepor o preço de mercado, a través de estoques reguladores que garantissem o preço considerado adequado. No período de 1906 a 1910 tinham sido retirados do mercado livre 8.500.000 sacas e em 1924 adota-se um largo esquema de valorização permanente, do qual o resultado se conhece pelos 40% dos estoques queimados ou jogados ao mar na crise de 1929.

A “valorização” representa o apogeu do período até agora estudado é a grande burguesia cafeeira, proprietária dos bancos e das casas de exportação, quem pode reservar-se uma parte cada vez mais importante do lucro realizado a partir da produção do café.

“Na região do café, uma grande parte, senão o próprio núcleo da burguesia industrial nascente encontra a suas origens da emigração européia.” (SILVA, 1986, p. 85)

A reprodução do capital cafeeiro e as formas de subordinação da economia brasileira levam ao nascimento e ao desenvolvimento da indústria que, por sua vez, está em contradição com a própria reprodução do capital cafeeiro e as formas de subordinação da economia brasileira.

 

Conclusões:

A crise econômica originada em Wall Street, que pouco depois se espalhou pelo mundo, provocou uma retração nos lucros dos fazendeiros que exportavam café; com a crise muitos trabalhadores do campo mudaram-se para a cidade. Em São Paulo a indústria ganhou força com a política de substituição de importações, a criação de empresas estatais naquela época foi decisiva para o processo de industrialização nacional.

Um dos motivos pelos quais o Brasil foi prejudicado foi a grande dependência dos EUA nos quesitos financeiros, assim, quando estourou a bolha em 1929 junto o fizeram os mercados futuros de café, seu preço e sua demanda. Desta forma foi o inicio do fim do ciclo do café e da falta de regulação das atividades econômicas financeiras; dando lugar a uma economia com maior participação do Estado, mas preocupada com o desenvolvimento e a pesar de criticada, difamada e esquecida algumas vezes sempre volta a ser lembrada nas situações de desespero em que se faz necessária para suavizar os ciclos econômicos próprios da acumulação do capital.

 

Bibliografia:

GALBRAITH, John Kenneth. 1929: a grande crise. São Paulo: Larousse do Brasil, 2010.

GAZIER, Bernard. A Crise de 1929. Porto Alegre, RS: L&PM, 2009.

SILVA, Sérgio. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. SP: Ed. Alfa-Omega, 8ª. Ed., 1995, 114 p.

VIEIRA, Rosângela de Lima. A Cadeia mercantil do café produzido no Brasil entre 1830 e 1929. In.: VIEIRA. Pedro A. (Org.). O Brasil e o capitalismo histórico: passado e presente na análise dos Sistemas-Mundo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012, p. 265-296.

Conferência de Ciências Comportamentais e Educação do Investidor – Dez/16

Planejamento: A visão de fora

Presentação do Capitulo 24 “A visão de fora” do Premio Nobel de economia Daniel Kanheman; teórico da finança comportamental (behavioural), a qual combina a economia com a ciência cognitiva para explicar o comportamento aparentemente irracional da gestão do risco pelos seres humanos. Ele é conhecido por sua colaboração com Amos Tversky e outros, estabelecendo uma base cognitiva para os erros humanos comuns, usando a heurística e desenvolvendo a “prospect theory”.

Fonte: Kahneman, Daniel. Thinking, Fast and Slow.

Tagged with: , , , , , , ,

Preços relativos

Preço da laranja USA

 

A relative price is the price of a commodity such as a good or service in terms of another; i.e., the ratio of two prices. A relative price may be expressed in terms of a ratio between any two prices or the ratio between the price of one particular good and a weighted average of all other goods available in the market. A relative price is an opportunity cost. Microeconomics can be seen as the study of how economic agents react to changes in relative prices.

In the demand equation Q = f(P) (in which Q is the number of units of a good or service demanded), P is the relative price of the good or service rather than the nominal price. It is the change in a relative price that prompts a change in demand. For example, if all prices rise by 10% there is no change in any relative prices, so if consumers’ nominal income and wealth also go up by 10% leaving real income and real wealth unchanged, then demand for each good or service will be unaffected. But if the price of a particular good goes up by, say, 2% while the prices of the other goods and services go down enough that the overall price level is unchanged, then the relative price of the particular good has increased while purchasing power has been unaffected, so the demand for the good will go down.

Often inflation makes it difficult for economic agents to immediately distinguish increases in the price of a good which are due to relative price changes from changes in the price which are due to inflation of prices in general. This situation can lead to allocative inefficiency, and is one of the negative effects of inflation.

Source: Wikipedia

 

Burbuja de precio de activos

Excelente presentación del Dr. José Pablo Dapena, profesor de la Universidad del CEMA.

Presentador: José Pablo Dapena
MSc in Finance and Economics, London School of Economics. Dr. en Economía, UCEMA
Fuente: http://www.desdelabolsaendirecto.com

Tagged with: , , ,

Ferro velho x Lamborghini e fluxo aos EUA

moneyflySempre os modelos mais velhos chegaram logo para America Latina. E como as empresas as vezes enviam seus estoques velhos para nosso deleite, o mercado financeiro faz o mesmo emitindo BDRs (Certificados de Depósitos de Ações) de “Ferros velhos” (empresas já constituídas que já atingiram seu ápice), e que são pagas por nós a preço de Lamborghini.

O negocio é o seguinte: As empresas por meio de um marketing agressivo vendem seu pescado, como nesses videos de recentes empresas de realidade virtual, que se valorizam rapidamente dentro do mercado local. Quando a empresa já cresceu o suficiente ou antes dela falir por publicidade enganosa ela é colocada no mercado internacional.

Esse “Lamborghini” é vendido para nós por um preço que para nós é ótimo (um P/L de 40 ou 50), só que ficamos impressionados pelas luzinhas de cores e ninguém para para ver se o motor funciona ou não. Assim a rentabilidade fica com os inversores dos países inovadores e com forte presencia de marca e os mercados internacionais ficam com os restos.

Pouco temos aprendido desta situação. É verdade que deveríamos de fazer um mea culpa sobre a preguiça e indiferença que nossos países tem pelos mercados financeiros, mas isso não justifica que emitamos ADRs para procurar financiamento lá fora na situação oposta à descrita anteriormente. Aqui a situação se inverte, pequenas empresas saem rapidamente ao mercado internacional assim o rápido crescimento transforma-se remessas de lucros para o exterior e aqui só ficamos com empresas “privatizadas” por potencias econômicas estrangeiras. Nada fica no pais mais que uma fraca inversão inicial e umas poucas vagas de emprego o margem fica nas mãos de investidores estrangeiros que ficam com os dividendos e o spread do titulo que valoriza-se exponencialmente.

She was never qualified!

http://finance.yahoo.com/news/janet-yellen-just-made-one-180927211.html

What do you think?

Top